Meia Laranja

Meia Laranja

“When you squeeze an orange, orange juice comes out – because that’s what’s inside. When you are squeezed, what comes out is what is inside.”

Colete refletor cor de laranja

O ácido ascórbico é uma vitamina, com um C grande. É altamente instável, reage à luz do sol e chora à luz da lua. Em contacto com o oxigénio falta-lhe o ar… E se der um mergulho na água afoga-se em reações químicas. Estas reações partem-lhe a estrutura, dão-lhe cabo da molécula e, passado algum tempo, as fraturas expostas azedam-te o copo de sumo, como é natural. Não dá para guardar meia laranjada para mais tarde. E uma meia laranja não se aguenta sem secar.

As meias laranjas andam sempre perdidas. Por isso é que vestem um colete refletor alaranjado, quando dão umas corridas na realidade dos teus sonhos. Se vires a tua meia laranja vais reconhecê-la e vais querer descascá-la à primeira. O cheiro fica nas tuas mãos durante horas e, se a perderes de vista, está tudo escrito em breille na casca.

Numa destas noites, a bússola apontava para norte, não abrandei no laranja intermitente e desafiei as cores do perigo. Segui o caminho mais longo, para ter tempo de descobrir onde te escondias com as outras metades. O cinto de segurança cheirava-me a laranja aos gomos. A essência deve ter ficado durante horas nas minhas mãos ou estava escondida dentro do porta-luvas. Esta essência cítrica de óleos essenciais era tão parecida contigo que podia ser o teu fantasma. Pensei ver-te. Era tão parecida contigo que lhe perguntei se a podia chamar pelo teu nome. Pensei ver-te no cinto de segurança, mas ainda estavas no escuro do porta luvas. Pensei ver-te no amarelo intermitente, mas ficaste para trás no sinal vermelho. Provavelmente ainda adoro o teu cheiro a laranja e o perigo das tuas cores. Pelo menos adorava, da última vez que espremeste a realidade dos meus sonhos. Tinhas as mãos à volta do meu pescoço que deixaram um perfume durante horas. O caminho mais longo tinha flores de laranjeira.

Esta essência cítrica de óleos essenciais era uma visão, pensei ver-te entre as flores perdidas pelo caminho. Inclinei-me para te ver mais de perto. Esta essência cítrica de óleos essenciais era tão parecida contigo que podia ser o teu fantasma. Estava tão perto que não podia mais. Não era apropriado, mas estava tão à mão que lhe pedi para a tratar pelo teu nome. Disse-lhe que imaginei os teus traços numa casca de laranja, que tinha medo de me esquecer da tua cara e das tuas mãos à volta do meu pescoço. Não era apropriado, mas chamei-lhe o meio para a meia laranja. Estava tão perto que não podia mais, mas o teu nome recusou-se a sair do porta-luvas. Estava tão à mão que era demais, mas o cheiro não ficou durante horas. Começo a pensar que te imaginei o caminho todo.

Uma meia laranja tem o poder de uma arma apontada à têmpora. É engolir vitamina C em seco e vestir um colete refletor sempre que aparece a outra metade. É fechar os olhos e pestanejar com o sumo da casca direito aos olhos, sempre que lhe rasgas a pele. Pensei ver-te entre as flores perdidas pelo caminho. Pelo caminho, cruzei-me com duas metades unidas que brincam todos os dias com as cascas e brindam com um licor da cor do perigo. O caminho mais longo tem flores de laranjeira. Não deixes nada pela metade e toma as vitaminas. Alguém comeu a minha meia laranja.

Prada na Praia // Sintra

 

Patrícia Tavares

International journalist, writer and voice over artist. Patrícia Tavares is a Portuguese journalist based in France, specialising in broadcast, online and print fashion journalism. Currently working at Euronews television channel and contributing to a variety of publications and digital platforms at the forefront of the fashion industry. A presence at Paris Fashion Week and top fashion events around Europe. Soon to be an author and considered influential with an edgy vision on her fashion and lifestyle blog.

Share This Post

Leave a reply